Torcida Uniformizada Do Palmeiras (T.U.P)

fevereiro 6, 2010

A TUP foi fundada em 1970 por um grupo de pessoas ligadas ao clube, alunos do Colégio Dante Alighieri, além de outros moradores da Pompéia, em sua maioria italianos ou descendentes, dentre eles figuras muito conhecidas como o técnico Mário Travaglini, o repórter Roberto Silva e o diretor do Palmeiras Mário Genovese.

A TUP ao longo de sua história sempre representou muito bem o Palmeiras nas arquibancadas e fora das arquibancadas, porém, um pouco mais sossegada, no objetivo de como toda torcida deve ser, apenas de incentivar e torcer para sua equipe onde e em qualquer situação, e sempre respeitou todos e tudo, mas quando foi preciso o tupista soube ser guerreiro para defender a sua única paixão: A Sociedade Esportiva Palmeiras.

Apesar de seus fundadores serem maioria da colônia italiana, a TUP foi aberta a todos e com isso, cresceu muito. A primeira sede da T.U.P era uma sala alugada na Rua 24 de Maio, que rapidamente se tornou ponto de encontro de muitos palestrinos.

Com o crescimento da torcida, começaram a ter mais caravanas pelo Brasil inteiro, mais bandeiras começaram a ser confeccionadas e em tamanho maiores, e a sede da Rua 24 de maio ficou muito pequena, desse modo passaram para uma maior sede, na Rua Barão de Paranapiacaba, e a estrutura aumentou.

Em três anos consecutivos, a TUP conquistou o troféu “Gandula”, como a torcida mais vibrante do país, por isso ganhou o apelido que todo palmeirense conhece: TUP – A MAIS VIBRANTE.

Com o objetivo de crescer cada vez mais, a TUP mudou de sede novamente, dessa vez para Rua Padre Antonio Tomás e de lá para a atual sede, na Praça Luiz Carlos Mesquita. Atualmente, a estrutura da sede possui lanchonete, vestiários, camarotes e quadra coberta.

Frases/Lemas da TUP:
“A mais vibrante”
“TUP, emoção que palavras dificilmente traduziriam”.
“Eu sou da TUP, essa foi a minha escolha, a grandeza desse amor não se escreve numa folha”.
“TUP, a mais vibrante por um Palmeiras gigante”.

Fotos:

Aliadas:

Ira Jovem Do Vasco(IJV)

Império Alviverde(IAV)

Movimento Organizado Força Independente(MOFI)

Torcida Uniformizada Terror Tricolor(TUTT)

Geral Do Grêmio(GDG)

Torcida Jovem Fanautico(TJF)

Força Jovem Do Goiás(FJG)

Torcida Organizada Galoucura(TOG)

Força Jovem Vasco (FJV)

dezembro 18, 2009

O Grêmio Recreativo Torcida Organizada Força Jovem do Vasco da Gama, ou simplesmente Força Jovem do Vasco (FJV) é uma torcida organizada brasileira, independente, do Club de Regatas Vasco da Gama e a principal do clube no Rio de Janeiro, fundada em 19 de Fevereiro de 1970

Antes da FORÇA JOVEM surgir, a torcida do Vasco começava a encher o Maracanã do meio para atrás do Gol, com o surgimento da FORÇA JOVEM isso mudou, o que aconte hoje em dia é justamente o contrário. Isso mostra o que a FORÇA JOVEM significa e representa para a NAÇÃO VASCAÍNA, a FORÇA veio para ficar e defender o VASCO. No mesmo ano de fundação, o Vasco voltou a ser Campeão Carioca, o Brasil foi Tri Campeão Mundial, o ano de 1970 ficará eternamente marcado na história do futebol.

CAMISA: A primeira camisa da FORÇA JOVEM era toda preta com gola olímpica e punhos brancos. Na frente a faixa diagonal branca era do lado direito do peito, sendo a cruz de malta do lado esquerdo com três estrelinhas amarelas abaixo dela. Nas costas em fundo preto liso estava escrito FORÇA JOVEM em vermelho, sendo a palavra Força em semi- círculo e jovem, abaixo, em linha reta.

Grêmio Recreativo Torcida Organizada FORÇA JOVEM DO VASCO

A MAIOR FAMÍLIA DO BRASIL DESDE 1970. ::SÉCULO XX: Anos 60, enquanto o futebol alegrava o povo, os políticos construíam suas obras faraônicas endividando a nação. Dentro dos clubes, os torcedores eram submissos, acríticos e comprometidos com os cartolas. Inspirados nos movimentos estudantis que pediam o fim da Ditadura Militar, surgiram no Brasil várias torcidas jovens, marcadas por uma outra concepção de torcida organizada e por outros modelos de comportamento e valores para os torcedores.

Em 1969, depois de 11 anos sem conquistar um título estadual, jovens vascaínos decidiram criar uma torcida, o que viria a ser mais tarde, a MAIOR FAMÍLIA DO BRASIL. A nova torcida Vascaína tinha que ser diferente, tinha que ter um nome mais criativo e de impacto. Assim aconteceu, com a presença da palavra FORÇA. Nesse momento nascia a FORÇA JOVEM, criada em 1969, fundada oficialmente no dia 19 de fevereiro de 1970, em um casarão da rua Cônego Tobias n.º 80, no bairro do Méier, de propriedade do saudoso médico e Vascaíno Dr. Guilherme Lopes de Almeida, cujos filhos “Guilherminho” e Fernanda também participaram da fundação da torcida, onde funcionou a primeira sede da FJV no porão da casa. A segunda sede da Força Jovem ficava no bairro carioca Cavalcanti. Isso aconteceu no ano de 1992. Depois a sede foi transferida para o bairro Piedade, em 1993. Essa sede era bem estruturada, proporcionando facilidades para os associados. Em 1996, a Força Jovem mais uma vez mudou o local de sua sede. Ela passou a ser no centro da cidade do Rio de Janeiro, mais precisamente na Rua Gonçalves Dias 89.

A primeira faixa foi confeccionada no Méier e foi colocada na grade do Maracanã, atrás do gol, era toda branca com os seguintes dizeres em preto: “VASCO, O MÉIER TE SAÚDA”. Quando o Campeonato Carioca daquele ano iniciou-se, outra faixa foi confeccionada. Nela estava o nome que nos enche de orgulho, e as outras de medo; “FORÇA JOVEM”. ::PRESIDENTES: O primeiro presidente foi o Manoel que ficou 1 ano e passou a presidência para o Melo, logo substituído por Eli Mendes (que estava desde a fundação). Eli ficou a frente da torcida durante muitos anos, passando a presidência para Roberto Monteiro em 1990, que quando assumiu a presidência tinha apenas 18 anos e muitas idéias revolucionárias. Na sua gestão a Força Jovem foi dividida em “Famílias”, ou seja, a torcida foi organizada em bairros, municípios, estados e até mesmo em vários países. Depois quem assumiu a presidência da FORÇA JOVEM foi Antônio Brás, seguido por Márcio Bonfim (Buião) e novamente Roberto Monteiro. Após o segundo mandato de Roberto, assumiu a presidência Marcelo Mendonça (He-Man) que deu o primeiro passo para a estrutura de Marketing na torcida, inclusive na Internet onde colocou o 1º site da Força Jovem na rede, seguido por Fernando Leal, Alexandre Lima (Cebola), Marcelo Granzotto (Zona Sul).

PRESIDENTES: 1969/70: Manoel Fogueteiro 1970: Jorge Mello 1971/89: Ely Mendes 1989/91: Roberto Monteiro 1991/92: Antônio Brás 1992/93: Márcio Bonfim (Buião) 1993: Roberto Monteiro 1993/94: Marcos Thomaz 1994/97: Antônio Brás 1997/98: Marcelo Mendonça (He-Man) 1998/99: Fernando Leal 1999/00: Alexandre Lima (Cebola) 2000/04: Marcello Granzotto (Zona Sul) 2005/06: *Marcondes (Último presidente eleito)

*Impedido de assumir a presidência devido a interferência de Eurico Miranda

2009/11: Claudinho.

Até meados dos anos 80, a FORÇA JOVEM e a TOV (1ª Torcida Organizada do Brasil, criada por torcedores no intuito de apoiar o time, diferente da Charanga do Urubu criado por dirigentes que pagavam Salários aos músicos para animarem a Torcida) eram as principais Torcidas do Vasco, tanto em números de participantes quanto o prestígio e poder de influência dentro do clube.

Aliadas:

Mancha Alvi-Verde (Palmeiras)(MV)
Torcida Uniformizada Palmeiras (Palmeiras)(TUP)
Acadêmicos da Savóia (Palmeiras)(ADS)
Torcida Organizada Galoucura (Atlético/MG.)(TOG)
Esquadrão Atléticano (Atlético Mg.)(TEA)
Mancha Azul (Avaí)(TMA)
Força Jovem Goiás (Goiás)(FJG)
La 12 (Boca Juniors – Argentina)
Torcida Jovem Botafogo (Botafogo)(TJB)
Mancha Azul (CSA)
Terror Bicolor (Paysandu)(TUTB)
Ira Jovem Paysandu (Paysandu)(IJP)
Força Jovem Paysandu (Paysandu)(FJP)
Cearamor (Ceará)(TOC)
Força Indenpendente (Ceará)(MOFI)
Bamor (Bahia)(TOB)
Torcida Organizada Povão (Bahia)(TOP)
Torcida Uniformizada Terror Tricolor (Bahia)(TUTT)
Torcida Garra Alvinegra (ABC)(TGA)
Torcida Jovem Botafogo-PB (Botafogo-PB)(TJB-PB)
Torcida Tubarões da Fiel (Sampaio)(TTF)
Torcida Esporão do Galo (River do PI)(TEG)
Torcida Jovem Fanáutico (Náutico)
Ira Jovem Gama (Gama)(IJG)
Torcida Jovem do Confiança (Confiança-SE)(TJC)
Trovão Azul (Confiança)(TTA)
Torcida Independente Fúria Alvi-Azul (TIFAA)

Torcida Organizada Galoucura (TOG)

dezembro 12, 2009

O que nos une é eterno: o amor pelo Galo, o glorioso Clube Atlético Mineiro, o mais querido das Minas Gerais, amado e respeitado em todo o Brasil.

No começo, tudo parecia muito difícil, até por onde começar. Quem seriam os componentes, qual o nome da torcida, onde conseguir bandeiras, faixas, camisas e, principalmente, dinheiro para tudo isso e as demais despesas que aparecessem.

As soluções começaram a surgir como num passe de mágica. O nome
veio logo: Galoucura, a loucura pelo Galo. A questão do dinheiro também teve uma solução rápida e prática: promover uma festa.

A festa foi um sucesso total, com a participação de mais de mil pagantes. Estava fundada a torcida e também encontrado o caminho para enfrentarmos as despesas: fazer festas e eventos que congregassem a grande família Atleticana e a outra que nasceu ali, a da Galoucura.

A estréia da Galoucura não poderia acontecer de outra forma: no Mineirão e contra o maior adversário, o Cruzeiro. O jogo terminou empatado, mas a estréia foi empolgante, tanto que muitas pessoas a procuraram em seguida, dizendo que a Galoucura parecia ter fôlego e disposição para fazer alguma coisa diferente e bem maior do que existia até então em termos de torcida. Mais e mais componentes vieram a se juntar à Galoucura.

Daí pra frente, os acontecimentos nunca deixaram de entusiasmar aqueles que partilharam todos esses anos de convivência. Viagens foram centenas e não há como enumerá-las.

Não importa o lugar no qual o Galo esteja, a faixa da Galoucura e seus componentes estarão presentes, dando aquele incentivo aos nossos atletas. Orgulhamo-nos de ser a única torcida organizada que não faltou a nenhum jogo do Atlético desde a nossa criação. Os componentes estão sempre presentes, seja de ônibus ou avião e ainda ajudamos aqueles que não podem financiar suas viagens. Na Galoucura é assim: ser membro é sinônimo de estar disposto a viajar, de estar sempre pronto para arrumar as malas, é estar com o Galo não importa aonde for, em qualquer situação!!!

Além das viagens, o forte da Galoucura sempre foi a promoção de festas, que engrandecem cada vez mais o nome do Galo. Em 1993, o nono aniversário da Galoucura foi marcado por uma grande festa realizada no Mineirinho, com a presença do cantor e compositor Pepeu Gomes. Também já fizemos várias festas com o objetico de arrecadar fundos para entidades beneficientes.

Com o passar dos anos, e com cada dia um maior número de componentes, o ritmo e a alegria da Galoucura foi crescendo violentamente, entusiasmando as outras torcidas e concretizando o sonho de se tornar A Maior Torcida Organizada de Minas Gerais, uma realidade nos dias de hoje.

É, por isso tudo, que conquistamos o título de Maior Torcida de Minas e uma das maiores do Brasil. E esperamos cada vez mais pessoas se filiem à Galoucura, pois o nosso lema é: “Se Você Não Pode Com Ela, Junte-se A Ela”.

Aliadas:

Mancha Alviverde (MV)

Força Jovem do Vasco (FJV)

Esquadrão Villanovense (TEV)

Império Alviverde (IAV)

Torcidda Uniformizada Do Palmeiras (TUP)

Torcida Jovem do Grêmio (TJG)

Super Raça Gremista (SRG)

Tradição Uniformizada Terror Bicolor (TUTB)

Mancha Azul Avai (TMA)

Inferno Coral (TOIC)

Torcida Organizada Cearamor (TOC)

Gang Alvinegra (GA)

Torcida Organizada Bamor (TOB)

Torcida Jovem do Botafogo (TJB)

Mancha Verde Do juventude (MVJ)

Geral do Grêmio (GDG)

Império Alviverde (IAV)

dezembro 12, 2009

A Torcida Organizada Império Alviverde, conhecida apenas por Império Alviverde ou pelo acrônimo IAV, é uma torcida organizada de futebol, a maior do Coritiba Foot Ball Club. Fundada em 2 de Outubro de 1977, é destaque pela sua vibração e pela sua bateria, que conta com diversos instrumentos musicais, além dos projetos sociais que desenvolve. É tida por muitos como uma das maiores organizadas do sul do Brasil.

O ano era 1977, o jogo era um AtleTiba, final do primeiro turno do Campeonato Paranaense. Foi quando um grupo de amigos tiveram a idéia de fazer duas bandeiras e assistir ao jogo. Durante algum tempo estes amigos iam aos jogos apenas para levar suas bandeiras, foi quando o pessoal da Camisa Zero, uma das torcidas do clube na época, chamou os garotos para irem aos jogos com eles. “A gente foi com eles e começou a se enturmar com o pessoal. Daí nós achamos bacana aquele negócio de torcida organizada e começamos a se organizar para montar a nossa”, relembrou Luizão Stellfeld.

Nascia então, no dia 2 de outubro de 1977, a Império Alviverde. O jogo era a final do Campeonato Paranaense daquele ano, contra o Grêmio Maringá. A partida foi disputada no Couto Pereira, terminando com o placar de 1×1.

Inicialmente a Império se resumia a um grupo de amigos que se reuniam todos os finais de semana para assistirem aos jogos do Coritiba (foto). Esses jovens nunca imaginaram que a torcida poderia aumentar tanto, mas, com o passar dos anos, o Coritiba necessitaria de uma torcida que incentivasse e defendesse a nação Coxa-Branca, e a Império Alviverde assume este papel no início do ano de 1988. Em 1991, a torcida rompe com a diretoria do Coritiba após discutir com Evangelino Neves, tornando-se independente.

Foi uma das melhores épocas para o crescimento da torcida. A torcida não tinha sede e as camisetas eram vendidas por apenas R$ 10,00 (Dez reais), o que fez com que muitos participassem, foi à década dos “comandos gigantes”, grupos de torcedores de diversas regiões de Curitiba.

Na década de 90 se consolida como a maior torcida organizada do sul do país, quando, na noite de 13 de dezembro de 1995, proporciona o maior show pirotécnico que uma torcida paranaense havia realizado até então. Com o Couto Pereira repleto de sinalizadores, fogos de artifícios e bandeiras, o Coritiba aplica uma goleada inesquecível de 3×0 no rival e retorna à primeira divisão. Definitivamente, um show pirotécnico de arrepiar a alma alviverde.

Novamente em um AtleTiba, a Império Alviverde impressiona, ainda no ano de 1995: um total de 100 bandeiras, somadas às outras 42 já existentes, são estendidas por toda a extensão do estádio. Comprovando a sua grandiosidade, a torcida encerra o ano com a maior quantidade de bandeiras dentre as torcidas do Brasil, 242.

Em 2001, Luizão Stellfeld deixa a presidência da Império. Quem assume então é Luiz Fernando Correa, o Papagaio.

A Império fica reconhecida pelas suas inovações, e vai além: cria novos artifícios de manifestação, como a fumaça verde e o show de luzes, marcas registradas da torcida. Em 2001, num AtleTiba, estréia seu bandeirão, um dos mais bonitos do Brasil, que mede 60x17m.

Em 2002, a torcida lança seu site na internet, e, em 2003, é criado o estatuto oficial da Império. Somente após 26 anos, a mesma é registrada perante a lei.

No ano de 2004, na disputa da Libertadores, a torcida inaugura seu segundo bandeirão, medindo 50x12m, e renova suas faixas, incluindo as verticais, que são esticadas do 2º ao 3º anel da curva de entrada do Couto Pereira, bandeiras e instrumentos, a torcida busca uma melhor organização.

Ao longo de sua existência a Império sempre promoveu ações sociais isoladas. A partir de novembro de 2006 estas ações se tornaram um projeto grandioso. O projeto da Torcida Social surgiu não só para ampliar as ações sociais como apresentar um novo modelo de torcida organizada, passando a fazer parte da cultura do torcedor.

Ainda em 2006, a Império Alviverde comemora seu aniversário de 29 anos organizando um show com bandas famosas no espaço Callas. Festa essa que proporcionou a gravação do primeiro DVD de festas da organizada, feito que se repete desde então devido ao grande sucesso da festa, sendo a primeira torcida a fazer um evento deste porte no Paraná.

Em 07 de julho 2007, depois de sete anos proibidas nos estádios, a Império voltou a usar bandeiras com mastros de bambu ao Alto da Glória. Foi no jogo contra o CRB, vitória do Coritiba por 2×1. Já no dia 12 de outubro de 2007, na data do aniversário de 98 anos do Coritiba, a torcida estreou seu primeiro camisão. A estréia ocorreu no jogo contra o Criciúma, vencido pelo Coritiba por 1×0 perante 36 mil pessoas.

Em 31 de março de 2008 inaugura sua loja de 600m2 em frente ao estádio Couto Pereira. Em 2009 a Império lança um novo site com loja virtual.

A Império Alviverde é uma torcida grandiosa e crescente, faz parte da história do clube e tem como único objetivo apoiar o Coritiba ao longo dos tempos. Certamente este é apenas um resumo da história que está na memória de todos os torcedores que um dia vestiram esta camisa e contribuíram para o que ela é hoje.

Aliadas:

Fúria Jovem Do Botafogo (FJB

Ira Jovem Do Vasco (IJV)

Torcida Organizada Bamor (TOB)

Torcida Uniformizada Terror Tricolor (TUTT)

Torcida Organizada Cearamor (TOC)

Tradição Uniformizada Terror Bicolor (TUTB)

Movimento Organizado Força Independente (MOFI)

Torcida Uniformizada do Palmeiras (TUP)

Mancha Azul CSA (MA)

Trovão Azul (TTA)

Força Jovem do Paysandu (FJP)

Gang Alvinegra (GA)

Inferno Coral (TOIC)

Torcida Organizada Galoucura (TOG)

Mancha Azul Avai (TMA)

Super Raça Gremista (SRG)

Torcida Jovem do Grêmio (TJG)

Torcida Garra Tricolor (TGT)

Geral Do Grêmio (GDG)

Mancha Verde Do Juventude (MVJ)

Torcid Jovem do Botafogo (TJB)

Botachopp

Força Jovem Do Goiás (FJG)

Torcida Guerreiros do Barueri (TGB)

Inferno Verde Gama (IV)

Mancha Alviverde (MV)

dezembro 12, 2009

O Grêmio Recreativo e Cultural Torcida Mancha Alviverde (ou apenas Mancha Alviverde) ainda conhecido por Mancha Verde é a maior torcida organizada do Palmeiras. Foi fundada no dia 11 de novembro de 1997, por integrantes da ex-torcida e atual entidade carnavalesca Mancha Verde.

Seu símbolo é o personagem dos quadrinhos da Disney, Mancha Negra. Nos jogos do Palmeiras a Mancha Alvi-Verde fica atras do gol, no setor amarelo do Estádio do Palestra Itália, onde agora é a “Jaula” do Estádio Palestra Itália. É, segundo estimativas, uma das maiores torcidas organizadas do Brasil na atualidade.

Surgimento

A Mancha Verde foi fundada no dia 11 de janeiro de 1983, resultado da fusão de três antigas torcidas organizadas (Império Verde, Inferno Verde e Gremio Alviverde). Na época sentia-se a necessidade de se organizar uma nova e sólida representação para a Torcida Palmeirense nas arquibancadas.

Composta na época de sua fundação basicamente por jovens e adolescentes, sugeriu-se uma denominação que se tornaria inclusive o símbolo representativo da Torcida, baseado em um dos vilões das revistas em quadrinhos Disney. Tal personagem passava uma imagem de irreverência e rebeldia, fatores estes preponderantes nesta escolha. Portanto não existe maldade na expressão “MANCHA” no nome da Torcida, sendo que a sua colocação no sentido pejorativo.

História

A “Mancha Verde” ficou conhecida nacionalmente pela festa que faz nas arquibancadas, pelo amor que tem a S.E.P de ir nos jogos onde quer que seja, mesmo que esteja nas piores situações, e pelo seu envolvimento em confusões com torcidas de outros clubes.

Reviravoltas

A Justiça de São Paulo estava atenta às torcidas organizadas, quando em meados da década de 1990 ocorreu o estopim para que elas fossem banidas. O acontecimento foi a briga entre torcedores de Palmeiras e São Paulo na Copa São Paulo de Futebol Júnior no estádio do Pacaembu. Assim a Torcida Mancha Verde foi judicialmente extinta em 1995, porém seus integrantes não a dissolveram de fato, transformando-a numa escola de samba, ainda no mesmo ano. Em 1997, tais integrantes resolveram restaurar a torcida organizada, porém, para que possíveis futuros problemas referentes à torcida não pudessem atrapalhar a trajetória da escola de samba, resolveram criar uma nova entidade, com sede, estatuto e diretorias próprias. Assim, em 1997 foi criada a Mancha Alvi-Verde, contando com a base dos mesmos integrantes da antiga Mancha.

Atualmente, a Mancha conta com mais de 38 mil sócios e diversas sub-sedes espalhadas pelo país e pelo mundo(Até no Japão ha sede da Mancha Alvi-Verde).

- Mario Milesi
- Dorival
- Atibaia
- Peruche
- Ricardo
- Alex
- Aquiles
- Mario Carapello
- Kokay
- Antonio Carlos
- Valmir

SÃO CONSIDERADOS TAMBÉM FUNDADORES E MERECEM SER CITADOS, EMBORA NÃO OFICIALMENTE CONSTEM NA ATA DE FUNDAÇÃO
- Marinho
- Flávio
- Beto
- Nivaldo
- Ari
- Marcelinho
- Dario
- Gaúcha
- Tarso
- Bobeira
- Nandão

Nosso eterno respeito também para aqueles que mesmo não tendo sido itados, ajudaram e estão ajudando a construir a Mancha Verde.

TODOS OS PRESIDENTES
- Dorival Menezes (83/84)
- Nelson Ferraz da Silva Barros (Atibaia) (85/86)
- Cléo Sóstenes Dantas Silva (87/88)
- Moacir Bianchi (89/90)
- Ricardo Raphael Rodrigues (91/92)
- Paulo Rogério de Aquino (93 em diante)

O Reinício de uma História de Glórias!

Todos nós, Manchistas ou não, sabemos da História da MANCHA, do porque existimos, de quando a Torcida do Palmeiras não tinha representatividade e que jovens guerreiros deram início a uma era de conquistas nas arquibancadas Brasileiras.
Pessoas que por amor e dedicação ao Palmeiras se uniram para que tívessemos respeito.

Muitos deles hoje ainda, mesmo que indiretamente, estão presentes conosco…e muito nos orgulhamos de dar continuidade a esse feito único, de sermos a melhor, mais unida e mais forte Torcida Organizada do Brasil.

Já na final do ano de 1997, uma caravana histórica contra o Vasco na final do brasileiro, com 90 ônibus mostrou que a fase de dificuldades já tinha sido superada.
E daí pra frente,,,voltamos a ser quem sempre fomos…e até hoje, damos provas de nossa competência exclusiva de como se faz Torcida no Brasil.

E nesse novo conceito em Torcidas, nosso projetos sociais, campanha de arrecadação de alimentos para as vítimas do tufão em Santa Catarina, as campanhas do agasalho, arrecadação de brinquedos para crianças carentes,a campanha de doação de sangue em nossa sede, em parceria com grandes hemocentros, e no final de 2009, uma campanha com a Galoucura e Força Jovem do Vasco, “unidos pelo sangue” onde teremos uma “competição”..uma parceria para ver quem arrecada mais na doação de sangue.

Aliadas:

Força Jovem do Vasco (FJV)

Torcida Organizada Galoucura (TOG)

Tradição Uniformizada Terror Bicolor (TUTB)

Mancha Azul (TMA)

Super Raça Gremista (SRG)

Torcida Jovem do Grêmio (TJG)

Torcida Jovem do Botafogo (TJB)

Torcida Organizada Bamor (TOB)

Torcida Organizada Inferno Coral (TOIC)

Torcida Organizada Cearamor (TOC)

Torcida Mancha Azul-CSA (TMA)

Torcida Trovão Azul (TTA)

Gang Alvinegra (GA)

Academicos Da Savóia (TAS)

Mancha Verde Juventude (MVJ)

Barra Brava:Geral Do Grêmio (GDG)

dezembro 12, 2009

A Geral do Grêmio é uma torcida nos padrões barra brava da América do Sul que apoia o Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense. Foi criada em 2001, tendo sido a primeira nestes moldes do Brasil. Já foi conhecida, erroneamente, pelo nome de Alma Castelhana.

A Geral do Grêmio é uma torcida de livre adesão, o que significa que não cobra mensalidade, não possui uniforme e nem controle de quem participa, e conta com as mais variadas faixas (barras), bandeiras e trapos (panos pendurados que exaltam o time e seus ídolos) que são confeccionados e colocados no estádio pelos próprios torcedores. A torcida usa seus instrumentos e suas músicas para incentivar o clube, mesmo quando está perdendo, outra característica herdada das torcidas latinas.

A Geral do Grêmio foi a precursora dos movimentos barra brava no Brasil. Influenciados por ela, surgiram dezenas de outros movimentos de torcedores de grandes clubes de futebol brasileiros. Seus cânticos são, em grande parte, adaptados de ritmos famosos na Argentina e Uruguai, assim como fazem as torcidas destes respectivos países. São, também, adaptações de músicas gaúchas famosas, como “Eu sou do Sul” e “Bebendo Vinho”. A torcida costuma se posicionar atrás do gol, à direita das cabines de imprensa.

A torcida é vista como sendo muito violenta, especialmente após o episódio ocorrido no Gre-nal 366, quando torcedores incendiaram banheiros químicos no Estádio Beira-Rio (estádio do seu rival Internacional). Vários outros episódios extra-campo colaboraram para esta visão, a maioria deles confrontos com a Guarda Popular do Inter, certamente a maior rival.

Aliadas:

Torcida Uniformizada Do Palmeiras (TUP)

La Banda del Parque-Nacional (URU)

Torcida Organizada Galoucura (TOG)

Império Alviverde (IAV)

Guerreiros do Almirante (GDA)

Força Jovem do Vasco (VAS)

Fúria Jovem do Botafogo (FJB)

Força Jovem do Goiás (FJG)

Hoje, a Geral do Grêmio é muito mais que uma torcida organizada, já que movimenta muitos torcedores, não apenas das arquibancadas, como também dos outros setores do estádio. Os atos violentos diminuíram consideravelmente, depois que alguns torcedores responderam inquérito policial, e se afastaram da organização das atividades, para não prejudicar tanto a torcida como o clube. Dentro do próprio estádio, existem algumas divergências entre as torcidas. Recentemente, um grupo de torcedores migrou para o outro lado do estádio, criando uma espécie de dissidência, auto-intitulada ‘Velha Escola’.

Um dos fatos curiosos que acontecem é que a cada gol que o Grêmio faz, a torcida da Geral do Grêmio vai despencando pela arquibancada abaixo. Esse tipo de comemoração é a avalanche tricolor que é feita sempre no Estádio Olímpico Monumental.

Hello world!

dezembro 12, 2009

Welcome to WordPress.com. This is your first post. Edit or delete it and start blogging!


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.